Read Time:2 Minute, 43 Second

Redução nas refinarias não chega às bombas e gasolina aumenta em MS

0 0

COMBUSTÍVEIS

Redução nas refinarias não chega às bombas e gasolina aumenta em MS

Combustível fechou a semana com alta de quase 1% no Estado

18 JAN 20 – 15h:00GLAUCEA VACCARI

Mesmo com a redução de até 3% no preço da gasolina e do diesel nas refinarias, que entrou em vigor na última terça-feira (14), o litro da gasolina terminou a semana em alta em Mato Grosso do Sul, conforme aponta relatório divulgado hoje pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Levantamento aponta que na semana dos dias 12 a 18 de janeiro, o preço médio da gasolina é de R$ 4,374 no Estado, aumento de 0,76% na comparação com a semana anterior, quando o litro do combustível custava R$ 4,341. Corumbá é a cidade onde foi constatado o maior preço médio da gasolina no Estado, a R$ 4,722.

Em Campo Grande, valor médio fechou a semana em R$ 4,279, sendo o menor preço encontrado a R$ 4,099 e o maior a R$ 4,449. Foram pesquisados valores em 43 postos de combustíveis na Capital.

Já o diesel teve redução no preço ao consumidor, passando de R$ 3,858 comercializado na semana de 5 a 11 de janeiro, para R$ 3,837 nesta semana no Estado. Preços variam de R$ 3,519 a R$ 4,239 entre os 65 postos de combustíveis onde valores foram verificados.

MAIS AUMENTO

Apesar da redução nas refinarias anunciada pela Petrobras, o consumidor não deve sentir no bolso a queda dos preços. Segundo informou o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência (Sinpetro) na quarta-feira (15), o processo para a redução nos preços deve levar uma semana, porém, em fevereiro, com a alta dos impostos, o preço da gasolina poderá ficar até R$ 0,22 mais alto nas bombas. 

Ainda que o preço cair nesta última quinzena de janeiro, no mês que vem o preço gasolina deverá sofrer novos reajustes, puxados pelo aumento da carga tributária:  a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) saltará de 25% para 30%, e a base de cálculo do mesmo tributo (que é feita com a média dos preços praticados nos mês anterior à sua publicação) vai aumentar. Em contrapartida, existe a expectativa que o etanol fique mais barato: o ICMS cairá de 25% para 20% no mês que vem. 

Esse artigo foi útil para você?

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.



CORREIO DO ESTADO

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Previous post Abertas inscrições no IFMS para egressos e sociedade civil
Next post Mulher é vítima de tentativa de feminicídio em Campo Grande