Read Time:1 Minute, 58 Second

Quais segredos do Sol conseguiremos descobrir com o novo supertelescópio? – Espaço-Tempo

0 0

Células que compõem a superfície solar. Créditos: NSO/AURA/NSF

Pode parecer pé-de-moleque, pode parecer pipoca doce. Na verdade, a imagem acima mostra a superfície do Sol, tal qual observada pelo recém-inaugurado telescópio solar Daniel K Inouye, no Havaí. Com quatro metros de diâmetro, é o maior telescópio solar do mundo, e inaugura uma nova era de estudos do nosso astro-rei.

De certa forma, é surpreendente que ainda se invista tanto no estudo do Sol. Afinal, em termos astronômicos, ele está aqui do lado, a uma distância de meros 8 minutos-luz. Enquanto isso, estudamos galáxias a distância de dezenas de bilhões de anos-luz, cada uma composta por centenas de bilhões de sóis. O que podemos aprender com apenas um?

A resposta é: muito. O Sol é uma estrela relativamente comum, nem muito grande nem muito pequena, e (literalmente) trilhões de estrelas semelhantes existem universo afora. No entanto, justamente por ser nosso vizinho, ele representa uma oportunidade única de investigar em detalhes o funcionamento de uma estrela típica.

Ainda há muito que não entendemos sobre o funcionamento de uma estrela. Por exemplo, por que a coroa solar, que fica acima da superfície, é tão quente, com milhões de graus Celsius (a superfície solar tem apenas 6000 graus)? Ou como explicar as erupções solares e sua relação com o campo magnético que observamos no Sol?

Tudo isso tem relação com o clima espacial e os efeitos observados aqui na Terra. Em doses moderadas, os ventos solares podem interagir com o campo magnético terrestre e gerar as lindas auroras que podem ser observadas próximas aos polos. Em casos extremos, os mesmos ventos podem afetar seriamente equipamentos de telecomunicação e linhas de transmissão de energia elétrica. Seria ótimo poder prever com precisão estes fenômenos.

No final, isso tem uma relação fundamental com a própria busca por vida em outros planetas. Afinal, a existência de vida aqui na Terra não depende apenas da distância ao Sol e da possibilidade de haver água em estado líquido, mas de toda uma série de condições que deram origem ao delicado equilíbrio que permitiu a existência da nossa atmosfera. Será que poderíamos sobreviver a uma estrela com erupções solares constantes? Quem sabe o novo telescópio não nos dará as respostas nos próximos anos?

cgnews
https://conteudo.imguol.com.br/blogs/339/files/2020/01/DKIST_sun_1280p-615×300.jpg

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Previous post Desemprego recua e informalidade é a maior em 4 anos, aponta IBGE
Next post Aprenda a fazer quatro patês naturais, frescos e ricos em nutrientes – Blog Menu do Dia