Read Time:2 Minute, 2 Second

Facebook proíbe ‘deepfake’, mas permite vídeos com paródias – 07/01/2020

0 0

Washington, 7 Jan 2020 (AFP) – O Facebook proibirá os “deepfakes”, os vídeos manipulados por inteligência artificial, de olho nas eleições deste ano nos Estados Unidos, mas sua nova política ainda permitirá a publicação de vídeos altamente editados sempre que for paródia ou sátira, informou a empresa nesta terça-feira.

Os “deepfakes” são vídeos hiperrealistas feitos com inteligencia artificial ou programas elaborados especialmente para reproduzir de maneira muito verossímil movimentos humanos reais.

Através do blog da empresa, o Facebook divulgou que começará a remover clipes que foram editados de maneiras que “não são óbvias para uma pessoa comum” e que podem causar confusão.

O material será removido se for “um produto de inteligência artificial ou aprendizado de máquina que se sobreponha ou substitua o conteúdo de um vídeo, fazendo com que pareça autêntico”, diz o texto da vice-presidente do Facebook, Monika Bickert.

“Esta política não se estende a conteúdo que seja paródia ou sátira, ou vídeos que simplesmente tenham sido editados para omitir ou modificar a ordem das palavras”.

A imprensa americana destacou que a nova política não incluirá vídeos como o que se tornou viral em 2019 -que não era “deepfake”- da líder da Câmara de Representantes, Nancy Pelosi, no qual ela parecia ter problemas de pronúncia.

O Facebook não informou a quantidade de pessoas dedicadas a identificar e retirar os vídeos infratores, mas garantiu que aqueles que não cumprirem com suas políticas serão removidos e os que forem denunciados seguirão sendo revisados por equipes de verificadores externos, entre eles os da AFP.

A AFP trabalha em mais de 30 países e em dez idiomas no programa “Third party fact-checking” de verificação de conteúdos desenvolvido pelo Facebook.

Dentro deste programa, lançado em dezembro de 2016, o Facebook paga a cerca de 60 empresas de comunicação em todo o mundo, por informações gerais ou especializadas, para usar suas verificações de fatos em sua plataforma e no Instagram.

Se uma dessas empresas detectar que as informações são falsas ou induzem ao engano, os usuários do Facebook e Instagram tem menos probabilidade de vê-las em seus perfis. E se alguém tentar compartilhar essas informações, a plataforma propõe que você leia o artigo com a verificação correspondente. O Facebook não exclui nenhuma postagem. Os meios de comunicação participantes têm total liberdade na escolha e tratamento dos problemas que desejam verificar.

but-rbu/mtp/lda/emm/lca

FACEBOOK

cgnews
https://conteudo.imguol.com.br/c/interacao/facebook/uol-tilt.jpg

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Previous post Polícia conclui investigação de quadrilha que tentou invadir cofre de banco na Capital
Next post Prefeitura publica atualização no sistema de licenciamento e controle ambiental