Read Time:4 Minute, 2 Second

Como falar de uma doença grave com uma criança? | Viva Você

0 0

OGIMG
https://s2.glbimg.com/Hc62W_aaJfPpKB1Q1yNFglR2d3A=/1200x/smart/filters:cover():strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2020/P/o/kvcQoDRB6aFFdN6DAr5Q/stephen-andrews-u0ztce7knly-unsplash.jpg

Existe uma maneira ideal de contar para uma criança que ela sofre de um câncer ou de uma outra doença grave? Esta é uma situação vivenciada com frequência pela pediatra Béatrice Pellegrino, presidente da rede de hemato-oncologia e cuidados paliativos pediátricos, ambos na região parisiense.

“Sempre chamo os pais de lado para conversar e anunciar o diagnóstico. Isso é essencial antes de conversar com a criança, para conhecê-la melhor”, diz. Isso também evita que eles se emocionem na frente dos filhos, explica.

“O que deixa a criança preocupada é ver seus pais chorarem. E os adultos têm questionamentos que só podem ser feitos longe dos filhos”, diz.

Uma das dificuldades, explica, é que essa conversa sempre acontece em uma situação de emergência – a cirurgia ou tratamento devem ser realizados rapidamente para aumentar as chances do paciente. A família deve compreender e assimilar as informações em um curto espaço de tempo. “O ponto-chave é utilizar palavras compreensíveis, esquecer os jargões médicos”, observa.

Os profissionais utilizam desenhos para explicar os sintomas e o diagnóstico. Em seguida, recolhem informações sobre o cotidiano da família, sua estrutura, a profissão dos pais e a percepção que eles têm sobre o próprio filho. A ideia, diz a médica francesa, é adaptar o discurso em função da personalidade da criança. “Tentamos gerenciar a situação com toda a empatia possível, dizendo a verdade mas também dando esperança, valorizando os pontos positivos”, salienta.

Palavras certas, no momento certo

A questão da idade também é um ponto importante a ser considerado na hora do diagnóstico. Como descomplicar o nome de certas doenças, como é o caso de certos tipos de linfomas ou leucemias? Para a pediatra, é importante nomear a patologia sem rodeios.

“Temos muitos livros para crianças, sobre anatomia, que mostram onde estão situadas as lesões, e qual órgão foi atingido”, detalha. “Isso vai ajudar a criança a compreender seus sintomas e mal-estar.”

Em geral, diz a pediatra, a reação do paciente varia muito, mas o interesse em relação à própria doença é relativo. Para uma criança pequena, o que importa é como isso vai afetar seu cotidiano. O esforço das equipes médicas consiste, desta forma, a inserir ou adaptar o tratamento dentro do dia a dia, permitindo que elas continuem a frequentar a escola, por exemplo.

Com frequência, os irmãos são convidados a participar dos cuidados hospitalares para ajudar e entender o que está acontecendo. Desta forma, questões sobre a morte, por exemplo, poderão ser abordadas com os profissionais, longe do paciente.

Pediatra Marcela Noronha ajuda o menino Isaac a se alimentar melhor

Pediatra Marcela Noronha ajuda o menino Isaac a se alimentar melhor

Livro desmistifica câncer

A professora de teatro francesa Camille Genié é autora do livro “Comment maman a tué le chef des pamplemousses” (“Como mamãe matou o chefe das toranjas”, em tradução livre).

A “toranja”, fruta pouco conhecida no Brasil mas que se parece com uma laranja Bahia, citada no título, faz alusão ao linfoma descoberto em Camille – um tumor situado perto do coração.

Os médicos, ao anunciarem o diagnóstico, fizeram uma analogia com a fruta para explicar a gravidade do caso. Isso não impediu a francesa, com a ajuda da ilustradora Pascale Bougeault, de dar um tom bem-humorado ao livro. Pelo contrário: ela se apropriou do exemplo médico para construir sua história.

A obra narra seu combate contra o câncer e maneira como seu filho, que tinha três anos e meio quando ela foi diagnosticada, vivenciou a situação. O narrador é a própria criança, que compartilha com o leitor seus medos, dúvida e incertezas – uma experiência que ajudou os dois a superarem o drama.

“As palavras usadas para falar sobre o diagnóstico com as crianças são essenciais e indispensáveis”, diz a francesa. O fato de ser atriz, diz, também a ajudou a entrar em um processo criativo e se distanciar da dura realidade. O público-alvo da obra são crianças que vivem situações parecidas.

Na capa do livro, Camille é representada em um desenho vestida de cacique, pronta para combater o mal, ao lado do filho. “O humor é um traço de personalidade meu, que existe desde antes de eu ficar doente”, conta.

“A cumplicidade com meu filho sempre existiu”, completa. Hoje Camille está em remissão e seu filho tem oito anos. “A doença é uma lembrança. Ele tem orgulho do livro que fizemos juntos e foi o primeiro a pegar a obra e levar para a escola.”

*As entrevistas foram concedidas ao programa da RFI em francês, “Priorité Santé.”

Pediatra fala sobre os principais exames que os bebês devem fazer

Pediatra fala sobre os principais exames que os bebês devem fazer

G 1
[IMG1]
https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/viva-voce/noticia/2020/01/07/como-falar-de-uma-doenca-grave-com-uma-crianca.ghtml

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Previous post “Achei que fosse espírito”, diz motorista da Uber após passageiro “sumir” – 07/01/2020
Next post Após problema em aeronave, voo é cancelado e gera tumulto no Aeroporto de Campo Grande