Read Time:3 Minute, 9 Second

2020 foi um ano recorde de estresse, aponta pesquisa | Viva você

0 0

OGIMG
https://s2.glbimg.com/4UAs4I79yFyVwLY3oQ6kdAFCflA=/1200x/smart/filters:cover():strip_icc()/i.s3.glbimg.com/v1/AUTH_59edd422c0c84a879bd37670ae4f538a/internal_photos/bs/2020/0/U/bUjFqdS0eyg3xKPQBX3w/engin-akyurt-44d6s-5jdjq-unsplash.jpg

Em 2020, o mundo estava mais triste, com mais raiva, mais preocupado e mais estressado do que nos últimos 15 anos. É o que diz um relatório global de emoções feito pela Gallup, empresa americana especializada em pesquisa de opinião, que rastreia anualmente experiências em mais de 100 países.

A pesquisa perguntou a 160 mil adultos em 115 países se eles tiveram cinco experiências negativas específicas no dia anterior. Quatro em cada 10 adultos disseram ter experimentado preocupação ou estresse (40%). Pouco menos de três em cada 10 experimentaram dor física (29%). Cerca de um em cada quatro experimentou tristeza (27%) ou raiva (24%).

O ano da pandemia foi o mais estressante dos últimos 15 anos. De 2019 para 2020, o aumento foi de 5% quando o assunto é estresse. Segundo o relatório, quase 190 milhões de pessoas a mais se sentiram estressadas em 2020.

“Emoções negativas generalizadas não são boas para nenhum país, muito menos para o mundo inteiro”, diz o relatório.

Quando o assunto é a pandemia:

  • Metade das pessoas disseram que ganharam menos por causa da Covid-19
  • 32% disseram que perderam o emprego
  • 80% das pessoas disseram que a Covid-19 as afetou de alguma forma

Segundo Jon Clifton, sócio-gerente global da Gallup, a pandemia não é a única culpada pelas emoções negativas no mundo. “Enquanto 2020 estabeleceu um recorde para emoções negativas, a tendência começou há quase 10 anos.”

Nem todos os países sentiram o estresse no mesmo grau, alerta o relatório. Ele variou de 66% no Peru (o que representa uma nova alta para o país) a 13% no Quirguistão, onde nos níveis de estresse têm sido historicamente baixos e permaneceram baixos.

O Iraque continua a liderar o mundo em experiências negativas. Os iraquianos lideraram o mundo em sentir dor, raiva e tristeza. Já Taiwan continuou com a pontuação mais baixa, assim como em 2019.

Experiência positiva permaneceu estável na pandemia

Apesar do aumento das emoções negativas, pessoas no mundo todo permaneceram resilientes na pandemia. Para verificar o índice de emoção positiva, a pesquisa fez perguntas sobre se sentir respeitado e bem descansado, fazer atividades interessantes ou agradáveis e sorrir e rir.

Os resultados mostraram que as pessoas conseguiram se manter estáveis em emoções positivas, apesar do impacto negativo da pandemia – com exceção de rir e sorrir.

Para verificar o índice de emoção positiva, a pesquisa fez perguntas sobre se sentir respeitado e bem descansado, fazer atividades interessantes ou agradáveis e sorrir e rir — Foto: Fantástico / TV Globo

“O mundo sorriu menos em 2020. A porcentagem das pessoas que disseram ter sorrido ou rido no dia anterior caiu de 75% para 70%, a menor medida que o estudo já registrou para essa questão”, diz o relatório.

El Salvador, que também teve uma das maiores pontuações em 2019, liderou o mundo em positividade, com índice de 82. Outros países latino-americanos, como Nicarágua, Paraguai e Colômbia também registraram pontuações altas.

Três países nórdicos – Islândia, Noruega e a Finlândia – também registraram altas pontuações. Os três estão entre os 10 primeiros no ranking mundial de felicidade.

VÍDEOS mais vistos do G1 nos últimos dias

G 1
[IMG1]
https://g1.globo.com/bemestar/viva-voce/noticia/2021/07/20/2020-foi-um-ano-recorde-de-estresse-aponta-pesquisa.ghtml

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Previous post Boletim epidemiológico publicado nesta terça-feira (20) traz 32 mortes por covid-19 em Mato Grosso do Sul, incluindo a de uma mulher, de …
Next post Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, chega ao espaço – 20/07/2021